Educação Patrimonial e Levantamento de Patrimônio Material e Imaterial da Região Atingida pela LT 138 Kv Anta – Simplício-Rocha Leão - RJ

Dentre os cinco municípios alcançados pela LT 138 KV Anta Simplício - Rocha Leão: Sapucaia, Sumidouro, Duas Barras, Bom Jardim, Trajano de Morais, Macaé e Rio das Ostras, o município de Sumidouro foi selecionado dentre os demais para a aplicação das atividades socioeducativas previstas neste projeto por nele se encontrar o maior número de sítios arqueológicos identificados na etapa de prospecção e indicados para resgate.

O contato inicial foi realizado com membros da secretaria de Educação e Cultura no início do mês de junho de 2010. Segundo informações, neste município havia muito interesse na temática de Educação Patrimonial que por possuir um Centro de Pró Memória já vinha buscando fazer um reconhecimento dos patrimônios locais em contato com a comunidade. A pesquisa inicial identificou, junto às pessoas formadoras de opinião, a necessidade de obter informações sobre procedimentos de tombamento visando à preservação do que restam das antigas construções da cidade, algumas do século XIX ainda de pé, mas com risco de serem demolidas ou ruírem espontaneamente. Assim sendo, recebemos generoso apoio junto aos órgãos municipais de cultura e educação para viabilizar a realização de uma atividade socioeducativa voltada para a investigação do patrimônio natural e cultural do município.

Como ideal surgiu a proposta de um curso de capacitação de monitores em Educação Patrimonial que privilegiasse o método do Psicodrama Pedagógico como ferramenta a ser utilizada no processo de multiplicação da informação obtida durante o processo.  Este seria realizado na área urbana do município, aperfeiçoando pessoas que levariam o conhecimento obtido e a necessidade de despertamento sobre seu patrimônio a outros indivíduos através do apreendido na ação socioeducativa.

Divulgado pela Secretaria de Educação e com entusiasmado apoio de funcionários da Casa de Cultura o curso foi então realizado com a participação de vinte e oito pessoas da comunidade, entre professores, alunos do ensino médio e membros da Igreja Católica.

Em nossas práticas de educação patrimonial, via de regra, utilizamos o método do psicodrama pedagógico que é formado por quatro etapas:

  • Aquecimento inespecífico – qualquer atividade que mobilize a energia vital do sujeito dos pés em direção ao cérebro.
  • Aquecimento específico – cérebro “desperto” passa-se ao tema a ser tratado.
  • Dramatização – De posse das informações passa-se ao contato direto com o objeto a ser apreendido para que, através da sensação, possa se apropriar da informação que ele contém.  

Compartilhamento – Após a experenciação o objeto, agora ressignificado pelo sujeito, pode ser compartilhado, multiplicando assim a informação.

Assim, utilizando esse método, foi realizada a primeira etapa com o grupo: alguns minutos de atividades físicas, como brincar de roda, bater os pés e as mãos e outras brincadeiras, para o processo de despertar do corpo e da mente;

O aquecimento específico que são informações foi desenvolvido com a apresentação de duas palestras a respeito do “fazer do arqueólogo” no mundo, no Brasil, no Rio de Janeiro e em Sumidouro.  A primeira palestra versando sobre o tema amplo, geral, no sentido de esclarecer o que é arqueologia, suas vinculações teórico- metodológicas, como trabalha o arqueólogo e o que resulta de suas pesquisas, com destaque especial sobre a legislação vigente e dos mais recentes posicionamentos profissionais.

A segunda, mais específica, tratou, num primeiro momento, de fazer uma abordagem geral dos resultados das prospecções que objetivam o conhecimento extensivo da potencialidade da região atingida pela LT - no Estado do Rio de Janeiro - sendo, em seguida, complementada pela exposição de materiais, numa oficina denominada “Peneiras de Ciências”. Esta trata-se de peneiras de palha onde são expostos materiais arqueológicos sem procedência, previamente selecionados para este fim, onde os presentes são estimulados a tocar, examinar e tentar sentir, à medida que lhes são descritos, o modo de vida das populações que ocuparam anteriormente aquela região, em uma linha do tempo formada por artefatos similares geralmente coletados. Em outras palavras, este trabalho proporciona o contato direto com o objeto patrimonial, facilitando o aprendizado e sensibilizando a todos que são “tocados” pela propostade sua preservação.

Na etapa dramatização o desafio se consistiu em a equipe do IAB ser capaz de ajudar o grupo (as cerca de 30 pessoas que se candidataram para fazerem o curso de capacitação de monitores/multiplicadores da conscientização da importância e preservação do patrimônio) a fazer um levantamento dos bens patrimoniais naturais e culturais do município. Tendo como partida aquilo que o grupo já sabia sobre o assunto, (sem consulta a internet ou a livros etc.) e, depois, escolher um desses objetos patrimoniais – material e imaterial para demonstrar seu valor para nós usando o mesmo método. Destaque-se o fato de que não apresentamos simplesmente aos mesmos o que julgaríamos importante como os bens patrimoniais do município e sim que com a participação de elementos que o representam, se possível vinculados a diferentes categorias sociais, efetuaríamos  em conjunto esta tarefa. Ao invés de trazer os dados de “fora para dentro”, os elaboraríamos “de dentro para fora”, sendo este, na verdade o principal objetivo do curso.

Uma vez definidos os conceitos de cultura e patrimônio e suas variáveis em linhas amplas, foram estabelecidos os grupos de trabalho, segundo uma técnica psicodramática denominada Retramatização, cujo objetivo é como o próprio nome indica “estabelecer uma nova trama” sobre algo.  Para tanto definimos três conjuntos de pessoas para inventariarem três aspectos do patrimônio do município e a elas foram oferecidos “net books” para trabalharem. O Patrimônio Natural ficou a cargo de um grupo, o Patrimônio Cultural Material de outro e o Patrimônio Cultural Imaterial com o terceiro grupo.

Com a aplicação desta metodologia os levamos a produzirem uma lista inventário com o que seriam para eles patrimônios cultural e natural local.  Depois de estabelecido o intercâmbio de informações os três grupos trabalharam na tarefa de elaborar um inventário patrimonial de Sumidouro (RJ).

Na última etapa (compartilhamento) cada grupo participante apresentou à equipe do IAB um trabalho contemplando todas as etapas do método de forma criativa, onde puderam revelar a compreensão que obtiveram de seu patrimônio e atendendo perfeitamente as expectativas.

O processo teve continuidade através de complementações e revisões durante os meses seguintes e posteriormente deu origem ao inventário patrimonial do Município e foi publicado como material de devolução social e entregue aos participantes e órgãos públicos da cidade, corroborando a ideia de que cada um deve descobrir o que é importante para si e a partir daí cuidar, manter e preservar.

 

A lista inventário a seguir foi produzida pelos participantes, como resultado das atividades desenvolvidas no curso.

Patrimônio Cultural Imaterial de Sumidouro

O Jogo de Baralho na Rodoviária- O hábito dos moradores mais idosos de jogar baralho em uma mesa localizada na lateral da rodoviária é destacado por acontecer há muitos anos e estar latente no cotidiano urbano da cidade.

O ofício de Agricultor - Neste item relacionado à agricultura foi valorizado  mais especificamente o cultivo de hortaliças denominado olericultura, que é ensinado e  passado há gerações entre os moradores da zona rural.

Lendas - Sabemos que as lendas são patrimônio imaterial de todo povo. Nesta região estão presentes em varias localidades e são passadas oralmente por gerações. Em Sumidouro uma das mais conhecidas é a da Mulher Cobra, entre as várias existentes na cultura local.

Festas Típicas - As festas típicas acontecem em todos os distritos e são de acordo com a cultura ou a produção local. Em Sumidouro apareceu Folia de Reis, Corpus Christie e Paixão de Cristo.

Artesanato - O artesanato local ainda é pouco divulgado e não foi identificado algo tradicional durante o curso.

Hino a Sumidouro- Considerado como patrimônio imaterial por descrever de forma clara as belezas do município.

Festa da Padroeira - A festa de nossa Senhora da Conceição do Paquequer acontece no mês de maio há muitos anos. É quase o mês inteiro de celebrações com novenas, quermesse, missas e procissão que acontecem no entorno da igreja matriz.

Ofício de Apicultor - A apicultura é praticada na região rural do município e também vem sendo passada por gerações aos seus descendentes.

Brincadeiras Infantis - As brincadeiras infantis (cantigas de roda em especial) acontecem em toda a região e são estimuladas nas escolas desta cidade como forma de manter a tradição.

Exposição Agropecuária - Considerada por todos uma das maiores e mais tradicional festa do município, acontece no mês de julho, com shows, rodeios e apresentação de produtos locais.

Encenação da Paixão de Cristo - Sempre na sexta feira santa surge em praça pública a encenação teatral que se tornou parte da cultura de Sumidouro e patrimônio imaterial de grande destaque.  “A paixão de Cristo” é um espetáculo produzido pela secretaria de Educação e Cultura do Município e encenado por atores da comunidade. Durante as semanas que antecedem a data pessoas comuns, amantes da arte e da cultura deixam seus lares para se dedicarem a essa montagem teatral que culmina com a grande estreia na Praça Monsenhor Ivo Sante Donin. Nesse dia em que se revelam muitos artistas locais, o público revive os últimos dias de Jesus na terra numa atuação emocionante que se aprimora a cada ano.

Carnaval de Rua - Uma das mais populares festas brasileiras, o carnaval, é também realizada com muito empenho, entusiasmo e alegria nas ruas de Sumidouro. Mesmo longe da riqueza e do glamour do famoso carnaval carioca, o carnaval sumidourense consegue atrair não só foliões da cidade como de outras regiões acostumados com ambiente familiar e a tranquilidade dos blocos e shows populares que agitam as cinco noites de folia na praça central da cidade.

Doutor Carolino Moura (personalidade) - Médico conhecido na região tinha na música sua paixão maior. Foi professor de música e maestro da Banda 31 de Dezembro (data de seu aniversário). Compositor do Hino à Sumidouro e algumas músicas sacras como o Hino da Padroeira do município.

Festa do Caqui - Uma festa tradicional do distrito de Murinelle acontece a gerações, com exposição de produtos e comidas típicas.

Encontro de Motociclistas - Bastante apreciado pelos moradores, este evento acontece no mês de agosto e conta com a participação de motociclistas de várias partes do Rio de Janeiro de Minas Gerais e do Espírito Santo.

Tapetes de Corpus Christi - A Igreja Católica resgatou a cultura dos tapetes de Corpus Christi há alguns anos e atualmente conta com a participação de membros da igreja e moradores da cidade de todas as idades.

Folias de Reis - As folias de reis acontecem no município há gerações e celebram num encontro no mês de janeiro na praça central com a presença de muitos moradores.

Patrimônio Cultural Material de Sumidouro

Antigos Vestígios das Estações Ferroviárias - Ainda existem três resquícios das antigas estações de trem da Estrada de Ferro Leopoldina no município, localizadas em  Barão de Aquino, em  Murinele e em  Dona Mariana. Estas estações foram construídas na época auge da produção de café na região. Produto este que trouxe riqueza e desenvolvimento para nossa região.

Ruínas dos Túneis da Leopoldina Railway - Os túneis foram construídos há muito tempo para fazer a ligação das linhas ferroviárias entre Sumidouro e Nova Friburgo. Foi uma construção muito difícil, onde ainda se utilizou até mão de obra escrava. Esse patrimônio merece ser restaurado devido à importância que tiveram na sua época e o esforço daqueles que se empenharam vigorosamente para concluir uma obra tão grandiosa e importante. Estes túneis estão localizados em: Murineli nas terras da Fazenda Santa Cruz que fazem ligação com a localidade de Dona Mariana.

Casarão em estilo colonial - O casarão é um bem patrimonial importantíssimo para a cidade, pois nele há contidas inúmeras recordações dos antepassados. É o prédio mais antigo de Sumidouro (1827). Foi sede de uma antiga fazenda e apresenta todas as características do período cafeeiro, com Tulha Terreiro de Pedra e senzala. Nesse mesmo prédio funcionou uma escola para Formação de Professores, o que na época era um privilégio para poucas pessoas.

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição do Paquequer - A igreja Matriz de Sumidouro foi construída em 1866 e dedicada a Nossa Senhora da Conceição e por ser a cidade “cortada” pelo Rio Paquequer colocaram o nome do rio como complemento ao título da Virgem Maria. A Igreja foi toda construída em pedra e com mão de obra escrava; em sua argamassa foi usado óleo de baleia, como todas as grandes construções da época.

Ruínas da Ponte Seca - Foi construída em 1888 como segmento do ramal de Sumidouro da antiga Estrada de Ferro Leopoldina que ligava Porto Novo do Cunha a Nova Friburgo, tencionando potencializar o escoamento da produção cafeeira do município. Construída por engenheiros ingleses e pela mão de obra escrava objetivava a manutenção do nível da linha em curva elipsoidal sobre pilares de grandes blocos de pedras sobrepostas. Um grande investimento que atesta a importância de Sumidouro no polo cafeeiro regional do século XIX.

Sac - Sumidouro Atlético Clube - O sumidouro Atlético Clube foi fundado na década de 1970 com o intuito de trazer lazer e oferecer à população sumidourense um espaço de confraternização. Sua construção se deu principalmente através do empenho do Senhor César Machado que reuniu sete pessoas para dar continuidade ao projeto. A população ajudou com mão de obra e doações para sua concretização.

Casas Residenciais Antigas - (diversas) - Antigas casas residenciais existentes na cidade de Sumidouro são de suma importância para a preservação da história e da memória da cidade. Entendemos que é através deste estudo de patrimônio que se descobrem valores, memórias e até mesmo a identidade do povo. Portanto, precisamos valorizar estas casas residenciais antigas para que a cada dia possamos resgatar e conhecer histórias de grande importância para o município.

Escadarias da Praça Monsenhor Ivo - As escadarias se localizam na Praça Monsenhor Ivo e fazem parte da Igreja Matriz de Sumidouro. Portanto é um conjunto arquitetônico de valor histórico. As escadarias formam um patrimônio junto com a Igreja Matriz. Elas dão acesso à praça que sofreu reformas ganhando um designer moderno.

Cruzeiro do Cemitério e Túmulos - É um interessante marco da cidade com uma estrutura hoje abalada pelo desgaste do tempo e ainda pelo calor do fogo das velas acesas por todos os visitantes. Os túmulos antigos, decorados com anjos de granito e trabalhos artesanais em pedras, que dificilmente seriam encontrados hoje, eles reportam ao século XIX. Entendemos que devem ser conservados e restaurados para que as futuras gerações possam conhecê-los e não fiquem somente nas lembranças.

Prédio da Prefeitura Municipal               - Em estilo art deco é um prédio imponente localizado na região central da cidade.

C.E. Monsenhor Ivo Sante Donin - Muito importante para o baú de histórias de muitos Sumidourenses que estudaram ou trabalharam nesta escola e ainda servirá para a educação de futuras gerações. Este Colégio há mais de 40 anos vem marcando a sociedade Sumidourense com o trabalho educacional de qualidade e sendo referência na vida cultural de todos os que por ali passam.

Fazendas Históricas - As fazendas construídas no século XIX com engenhos, terreiros de pedra, senzalas e capelas retratam uma parte da história do município. Algumas foram criadas antes das outras num cenário econômico cafeeiro. Na atualidade há muitas mudanças em suas fachadas, mas algumas coisas ainda estão preservadas. Sobre essas fazendas há muitas histórias, contos e lendas que vem passando de geração para geração. A meta principal é não deixar que esse patrimônio se acabe, para que as crianças se lembrem da cultura que aprenderam e viveram no passado.

Objetos Históricos - Os objetos históricos como ferramentas, fotos, utensílios domésticos, roupas, representam os trabalhos realizados com o uso de ferramentas rudimentares. Apesar disso, podemos perceber a riqueza de detalhes encontrados nestes objetos. As fotos, por exemplo, mostram como eram as cidades antes da urbanização, os costumes dos povos e as vestimentas utilizadas por eles. Através dos objetos históricos podemos perceber como viviam os povos antigos da região, entender o estilo de vida deles e perceber como a industrialização modificou a paisagem da cidade ao longo dos tempos. Estes objetos históricos nos fazem voltar no tempo e sentir como era aquele viver.

Relação do Patrimônio Natural do Município de Sumidouro

Cascata Conde D’Eu - A Cascata Conde D’eu, situada no município de Sumidouro-RJ, é um atrativo turístico da região. Este patrimônio natural ainda não foi tombado pelo município, dificultando assim, o acesso a esta magnífica área.

Pedra das Duas Irmãs (acidente geográfico) - encontro de duas rochas formando um túnel com altura de cerca de 30 metros. Está Localizado na estrada vicinal ligando os bairros: Chácara, Centro, Nossa Senhora de Lourdes e Caetano.

Pedra de São Caetano - A pedra de São Caetano está localizada no bairro de mesmo nome; possui muitos vestígios de mata atlântica. Recentemente foram descobertas espécies novas de bromélias em suas encostas de pedras.

Pedra da Torre - Localizada em São Caetano. Nesta pedra por ser o ponto mais alto da localidade, foi instalada uma torre de TV e de transmissão de internet. Todo ano a Igreja Católica de Sumidouro convoca a comunidade a fazer uma caminhada penitencial até ela, na sexta-feira da Paixão.

Gruta Ceci Peri - Segundo a lenda foi a caverna que se tornou esconderijo de uma portuguesa e de um índio, personagens do famoso escritor José de Alencar “O Guarani”, a qual tornou-se parte do cenário histórico do Município, retratando a saga de um belo romance.

Sumidouro das Pedras – (acidente geográfico) - Deu origem ao nome da Cidade; em 2010 encontrava-se assoreado. Desconhecemos o estado atualmente.

Cachoeira do Lambari - Denominada Lambari devido à sua localização, trata-se de um local de balneabilidade onde ocorre o peixe de nome lambari. É ponto de encontro de muitos que procuravam o frescor de suas águas para relaxarem e divertirem-se.

Rio Paquequer                 - nasce na localidade de Santo André e cruza Sumidouro; é de extrema importância para a cidade já que percorre a zona rural, onde se concentra mais de 80% da população e da economia também e é fundamental para as atividades de agricultura e pecuária.

Bulieiro -  No leito do rio Paquequer  encontra-se o um grande poço conhecido como “Bulieiro”, uma verdadeira piscina natural, com uma pequena queda d’água, onde em época de desova dos peixes acontece a “Piracema”.

Pedra da Boa Ventura - Trata-se de uma formação rochosa de grande porte, encontrada na localidade de Boa Ventura, na Fazenda Santo Antônio, com grande potencial turístico, onde podem ser realizadas caminhadas ecológicas por estradas que cortam a floresta preservada.

Continuação do processo...

Em agosto de 2010 uma comissão formada por “esses alunos” solicitou um retorno da equipe do IAB a Sumidouro. Tinha como objetivo dar continuidade à elaboração do inventário patrimonial, realizando reuniões na casa de cultura do município. Na oportunidade foram acordadas ações sobre a continuidade do processo e formação de novos grupos de trabalho. O primeiro grupo continuou fazendo um levantamento sobre as casas antigas ainda existentes, incluindo dados sobre os seus atuais e antigos proprietários, histórias e lendas que porventura guardem e procedendo a documentação fotográfica de cada uma.

Apesar do pequeno número de participantes, (devido a fatores como a ocorrência de eventos simultâneos nas escolas e frente à baixa densidade demográfica da cidade) pudemos apreciar a realização de um dos melhores trabalhos do gênero. Acreditamos ter sido também para eles uma ação de sucesso.

Patrimônio Imaterial

Durante os meses de maio a agosto de 2010 foi realizado um levantamento sobre os principais itens da cultura imaterial na região por onde cruza a linha de transmissão (LT 138KV) dentro dos limites do Estado do Rio de Janeiro referenciada anteriormente, com a finalidade de resgatar dados primários sobre os Saberes e Fazeres (culinária, artesanato, ofícios antigos etc.) dessas populações; suas Formas de Expressão (nas artes, na música, na poesia, etc.); suas Celebrações (ritos religiosos, e celebrações festivas) e Lugares singulares desta terra tão importante pela sua diversidade de colonização.

Com a premissa “a energia desvenda a cultura”, (e aqui o sentido é duplo mesmo) procuramos selecionar dentre os temas acima os itens mais representativos de cada município e seus “lugarejos” desvelando, assim, para todos, os bens patrimônios culturais de cada um.

Assim, buscamos na população de cada um de seus lugarejos a cultura mais enraizada em seu cotidiano. Procuramos identificar, resgatar e selecionar a informação de continuidade dos itens identificados de forma cuidadosa para que este trabalho viesse a ter a “feição” de cada um.

Estivemos em várias comunidades para fazer o reconhecimento daquelas que poderiam vir a ser pesquisadas em maior ou menor profundidade dentro da estratégia do projeto de Levantamento para Estudos de Patrimônio Imaterial.  Encontramos algumas comunidades muito pequenas como o distrito de Frade, Tapera, Maria Mendonça e Serra das Almas e outras maiores como Duas Barras, Bom Jardim e Sumidouro, então documentadas fotograficamente.

O contato com as Secretarias de Cultura, ou equivalentes, para saber o que já existia registrado e/ou conhecido sobre o município no que dizia respeito a esse tipo de patrimônio, nos embasou para pesquisar a cultura local contatando diretamente a população para recolher mais dados e confirmar, ou não, os previamente obtidos.

Foram feitas inúmeras descobertas que nos emocionaram e surpreenderam durante o registro das informações e, posteriormente devidamente “devolvidas socialmente” às comunidades abrangidas pela Linha de Transmissão.

O senhor Milton Pereira Grijó, por exemplo, um dos moradores mais antigos da região, com 74 anos, filho de colonos das antigas lavouras de café e atual proprietário da Fazenda Oratório, (assim denominada por estar localizada atrás da pedra do Oratório, na região serrana de Macaé) contou à equipe sobre as várias mudanças que aconteceram na região. Mudanças essas apreciadas de seu recanto no alto da serra onde passou quase toda a vida. Presenteou-nos com a descrição especial sobre a origem do povoado de Córrego do Ouro e de suas histórias. Momento único foi acompanhar o nascimento e desenvolvimento de uma cidade sob a perspectiva de um apaixonado morador.

 

Como pode ser verificado foi realizado o Levantamento dos Patrimônios Material e Imaterial das cidades acima listadas.

Os dados apresentados sumarizam um considerável volume de dados do que foi possível ser levantado pelos pesquisadores do Instituto de Arqueologia Brasileira (IAB) dentro do cronograma previsto para três meses de campo sobre o Patrimônio Imaterial das cidades cobertas pela implantação da LT 138 KV Anta – Simplício / Rocha Leão.

Ao selecioná-los, entre tantos outros, procuramos reunir um conjunto de informações suficientes para expor, de forma harmônica, tanto as nossas principais ideias, quanto aquelas contribuições que julgamos sejam de maior interesse não só para os especialistas como para todos os que se interessam pelos estudos deste complexo universo ainda tão pouco conhecido e compilado em nosso país: o Patrimônio Cultural Imaterial.

O nosso modo de fazer esse trabalho objetivou conseguir obter uma visão integrada do conjunto de dados locais (materiais e imateriais) daquilo que denominamos patrimônio cultural de um povo. Desejamos, pois, que a nossa contribuição com este Banco de Dados Primários possa vir a ser uma importante fonte de documentos produzida na década em que se inicia este tipo de pesquisa no Brasil 2000–2010.

Acreditamos nesta ideia por tê-la estruturada com base em um corpo teórico moderno, numa metodologia segura e numa abordagem de campo eficiente, tornando-a útil, para uso referencial a quem desejar aprofundar conhecimentos sobre estes dados no futuro, certos de que é da discussão das ideias e da troca de experiências que se constrói a Ciência.

Por outro lado, ao fornecer aos pesquisados (municípios, cidades e localidades, moradores) e também aos leitores os dados da pesquisa, permitimos que estes se apropriem dos seus saberes e fazeres, de maneira tal que possam formular novas formas de assimilação e valorização dos mesmos como modo de perpetuar suas tradições. Hoje é senso comum de que só se preserva o que se conhece.

Este trabalho foi devolvido socialmente através de material didático em mídia eletrônica.

Lamentavelmente não pudemos registrar todas as celebrações e festividades de acordo com os dados contidos na pesquisa em razão do calendário local e nosso curto tempo (noventa dias) para o levantamento de todos os dados de toda a região da Serra Fluminense perpassada pela Linha de Transmissão de Furnas Centrais Elétricas S.A.

Acreditamos ou pelo menos, desejamos que tenhamos conseguido, especialmente no contato direto com a população, fazê-los perceber a importância de cada um de seus patrimônios e reforçado a natural valorização que cada uma faz dos mesmos.

Bibliografia

1. Fonte: Compilação de documentos do Centro de Documentação Histórica – Pró-Memória / PMS / Sumidouro/RJ - Responsável: Prof. Hist. Marcelo Vieira de Almeida

2. Fonte site oficial da prefeitura – WWW.bomjardim.rj.gov.br

3. Extraído de http:\www.ferias.tur.br/informacoes/7104/trajano-de-morais-rj.html

4. Fonte : Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro