Patrimônio Material e Imaterial de Bom Jardim e Duas Barras

Bom Jardim

O Município de Bom Jardim foi criado através da Lei Estadual de número 37 em 17/12/1892, porém sua instalação tem data posterior: 05/03/1893. Suas terras originalmente pertenciam aos municípios de Cantagalo e Nova Friburgo.

Localizado na região serrana do estado do Rio de Janeiro a uma altitude de 574 metros e, distando cerca de 20 quilômetros do município de Nova Friburgo, apresenta temperaturas médias 10ºC no inverno e 27ºC no verão. Possuindo uma área de 384,98 Km2 entre seus distritos destacam–se o de Bom Jardim, São José do Ribeirão do Banquete e o de Barra Alegre.

A população residente atual (2010) é de 24.426 habitantes e juntamente com os municípios de Duas Barras, Nova Friburgo e Sumidouro constituem uma das quatro microrregiões da Região Serrana. A sede do município está situada a 154 km de distância da Capital do Estado, o Município do Rio de Janeiro.

Historicamente este e outros municípios da região tiveram a sua ocupação colonizadora influenciada por descendentes de alemães tais como os Brust, Emerich, Erthal, Heckert, Miller, Shott , e de suíços Ballonecker, Marchon, Bohrer, Marfurt, Bercot, Monnerat, e também por  franceses, portugueses e libaneses.

No final do século XVIII e no início do século XIX a Coroa Portuguesa distribuiu cartas de sesmarias para a região com a finalidade de promover a ocupação da mesma, devido á necessidade de expandir a exploração das terras auríferas de Cantagalo. Na oportunidade várias sesmarias foram ocupadas às margens do Rio Grande onde hoje se localiza o município de Bom Jardim. Sob a administração da família Real do Brasil, em 1819 foi instalada uma colônia suíça a apenas quatro léguas da atual sede do município e em 1824 uma colônia de alemães instalou-se também no mesmo local, ou seja, muitos desses colonos estabeleceram-se em terras hoje pertencentes ao atual município de Bom Jardim.

Em meados do século XIX, com o desenvolvimento da lavoura cafeeira na província fluminense, Cantagalo tornou-se um grande polo produtor e Bom Jardim beneficiou-se como rota de trânsito das tropas que transportavam o café para o Rio de Janeiro passando também a produzir café em suas terras. A autonomia do município de Bom Jardim, no entanto, só começou a ser delineada em 1857 quando a localidade de São José do Ribeirão (hoje 2º distrito de Bom Jardim) foi elevada à categoria de Freguesia do município de Nova Friburgo.

Deu mais um passo quando em 1875 foi inaugurado o ramal ferroviário até Bom Jardim e em torno de sua estação se desenvolveu o povoado que, em 1886, foi elevado á categoria de Distrito Policial do município de Cantagalo.

Com a Proclamação da República, a Freguesia de São José do Ribeirão foi transformada em Município através do decreto nº 280 de 06 de Julho de 189, porém, com a promulgação da Constituição Estadual no dia 09 de Abril de 1892 foram criados novos critérios para a existência de municípios, tendo sido extintos quatorze municípios brasileiros, entre eles São José do Ribeirão.

Entretanto, era o Distrito Policial de Bom Jardim que, juntamente com a freguesia de São José do Ribeirão, atendiam aos critérios necessários para a existência de um Município. Assim, em 17 de Dezembro de 1892 através da lei nº 37 foi restabelecido o Município de São José do Ribeirão, agora com o nome de Bom Jardim, ficando com a sede na estação do mesmo nome e subordinado à Comarca de Nova Friburgo até 1893, quando veio a emancipar-se em 05 de Março do mesmo ano.

A Lei Estadual nº 1056 em 1943, trocou o nome do Município que passou a chamar-se Vergel em 31 de dezembro. A nova denominação perdurou até 20 de Junho de 1947 quando uma nova lei Estadual devolveu ao município seu antigo nome de Bom Jardim e que continua até hoje.

 

Celebrações

Celebrações religiosas

 

  •   Festa de Nossa Senhora da Conceição - A padroeira do município é festejada no mês de dezembro com missas, procissão e festa social.
  •   Festa de Nossa Senhora de Santana – acontece em Banquete, 3º Distrito de Bom Jardim,  no mês de agosto com missa e a tradicional procissão pelas ruas do povoado, onde fiéis carregando velas acesas entoam cânticos durante todo o trajeto.
  •   Festa de Santo Antônio em Barra Alegre – Acontece na comunidade Córrego de Santo Antônio no Distrito de Barra Alegre e é uma das mais comentadas festas da região. A festa social acontece no dia12 de junho com várias atrações e a celebração religiosa no dia 13, com missas, procissão e distribuição do tradicional pão de Santo Antônio. Registramos a missa e procissão pelas ruas do povoado na tarde de domingo dia 13 de junho de 2010.
  •   Festa de São José – no Distrito de São José em Bom Jardim, esta celebração acontece sempre no dia 1° de maio há muitos anos e segue os moldes das demais festas religiosas com missa e procissão.
  •   Paixão de Cristo – Em São José do Ribeirão, no Distrito de Bom Jardim. Grupo de teatro local faz encenação da Paixão de Cristo numa espécie de dramatização coletiva em que envolve moradores atores e espectadores no processo. Já acontece há vários anos, sendo a cada ano mais prestigiada pelo público.
  •   Festa de São Cristóvão - No mês de julho acontece em Bom Jardim a festa em homenagem a São Cristóvão - o santo protetor dos motoristas. Com missas e quermesse durante dois dias culmina com uma procissão de carros onde moradores da cidade e povoados vizinhos trazem seus veículos, entre eles tratores agrícolas e caminhões de uso nas fazendas, e enfrentam pacientemente a longa fila para receberem a benção.A fé de todos impressiona e a participação dos fiéis é grande, festa tradicional que acontece há vários anos na cidade em frente à igreja matriz. Este ano (2010) foi registrada em fotos e vídeos pelo Instituto de Arqueologia Brasileira-IAB quando da realização do levantamento para estudos do Patrimônio Imaterial da região
  •   Folias de Reis – Em Bom Jardim a pesquisa identificou quatro grupos de folias de reis, dentre eles uma folia mirim, que se apresentam no mês de janeiro em tradicional encontro no centro da cidade. Como a pesquisa foi feita no meio do ano não nos foi possível registrá-las em ação.
  • Folia do Sr. Joel Folia do Sr. Losino Folia Mirim

Outras Festividades

Quadrilhas Juninas - o Município possui um grupo de dança de quadrilha da cidade que se apresenta em ocasiões especiais e há também vários outros grupos que se apresentam nas escolas da região.


Festa do Inhame – No distrito de Barra Alegre em Bom Jardim no mês de agosto acontece, há mais de 15 anos, a Festa do Inhame com comidas típicas e concurso de alimentos (pratos típicos) com base neste produto, além de shows musicais diversos que atraem grande público.

Formas de Expressão

As bandas regionais também conhecidas como sociedades musicais são frequentes na região e estão presentes no cotidiano dos moradores em vários eventos.

Em Bom Jardim a pesquisa identificou duas dessas sociedades:

  •    Sociedade Musical Bonjardinense com mais de 100 anos de existência.
  •   Sociedade Musical Ribeironense no distrito de São José do Ribeirão.

Saberes e Fazeres (ofícios)

A Culinária

Goiabada Caseira - na comunidade de Laranjal de Cima, pertencente ao distrito de São José foi identificada uma receita de goiabada caseira produzida na localidade. O registro da iguaria foi feito desde a colheita do fruto no pomar do sítio até a embalagem para venda.Os produtores, o senhor e senhora Antônio Shott e Railda Knutt Shott, seus  filhos e jovens vizinhos participam das várias etapas do processo.

Modo de Fazer:

As goiabas são colhidas no pomar ao lado da casa pelo senhor Antônio, e levadas até a cozinha onde são entregues para as ajudantes.

Inicia–se o processo de lavagem e retirada das partes escuras da fruta tais como manchas e o fundo da mesma. Em seguida retiram-se as sementes que são colocadas numa centrifuga para a retirada da polpa que as envolve.

Enquanto isso um tacho de cobre é aquecido por forno à lenha. Nele são colocadas as goiabas cortadas com a casca e também a polpa que foi separada das sementes pela centrifuga. O açúcar cristal é adicionado dado inicio ao processo de cozimento. Este forma uma calda que é sempre mexida, por processo mecânico até o ponto de retirada.  O “ponto do doce” é testado colocando-se várias vezes pequenas porções sobre a pele do braço e testando sua consistência. Segundo a senhora Railda o doce estará pronto quando “não colar mais no braço”. Finalizado o é colocado em formas de aço inox, para resfriar e ser embalado.

O resultado final apresenta um produto de textura macia não muito doce, de bom paladar e bastante apreciado na região, onde é vendido em feiras livres. Além da tradicional goiabada eles fabricam outros doces a partir de outras frutas como laranja, pêssego, carambola. O diferencial é que todos os frutos são cultivados e colhidos no pomar dos fabricantes.

 

O Artesanato

  •   Esculturas em madeira – trabalho realizado pelo artesão Lula Trócoli que utiliza troncos de árvores como matéria prima para suas esculturas.
  •   Bonecas de pano – feitas por uma senhora que mora no centro de Bom Jardim, apresenta as mesmas características dos produtos encontrados na região de Rio das Ostras. 
  •   Quiçamba de Bambu – Em Santo Antônio foi identificada  e registrada  a confecção de um objeto conhecido como quiçamba que serve para carregar alimentos e produtos rurais feito com tiras de bambu. Este foi localizado no centro de cultura griô, e o senhor Everaldo Antônio Mafort, morador de Córrego de Santo Antônio é o detentor deste saber. Segundo ele a  Quiçamba é um jacá ou balaio feito com taquara usando-se técnica de cestaria. Na região é muito utilizado para transporte de objetos preso às costas das pessoas como se fossem uma mochila ou em lombo de animais. Aprendeu a confeccionar este objeto em cestaria com seu pai quando ainda era criança e desde os 14 anos o produz, e a vários outros, entre eles luminárias, gerando, assim, recursos para sua sobrevivência.

Para o registro explicou o passo a passo da tarefa de produção da quiçamba:

A taquara deve ser colhida na lua minguante para evitar o excesso de água e proliferação de insetos como a broca, que diminui a vida útil do objeto e cortada em tiras finas para tecer as laterais da quiçamba e algumas mais largas para formar os esteios da peça.

Primeiramente são trançados os esteios que formarão o fundo e as laterais da quiçamba. Depois, com as tiras mais finas, são feitas as tramas das laterais e o molde da quiçamba e o acabamento da parte superior. Só então são colocadas tidas de couro ou material similar para servir de alças. Assim, a quiçamba estáa pronta para uso e pode de acordo com a finalidade de uso e do tamanho de quem a utilizará.

  •   Tarrafas - No distrito de Banquete foi localizado um morador que confecciona redes de pesca há vários anos e já ensinou esta técnica a seus filhos e netos. As redes são vendidas à pessoas de várias regiões que as utilizam em pesca artesanal.

Lugares

Há em Bom Jardim alguns lugares de importância histórica que destacamos a seguir:

  •   Furnas do Mão de Luva – trata-se da caverna onde dizem que o Duque Manoel Henriques, conhecido por “mão de luva”, teria escondido ouro de seus carregamentos clandestinos e onde uma força misteriosa não deixa nenhuma luz permanecer acesa naquele local, evitando intrusos e curiosos. 
  •   São José – localidade onde o município de Bom Jardim começou seu povoamento. Este distrito antigamente foi a sede do município, mas perdeu seu status após a instalação da linha férrea na Fazenda Bom Jardim, devido à impossibilidade da passagem da mesma em suas terras.
  •   Barra Alegre – neste distrito se encontra a maior concentração de fazendas de produtos hortigranjeiros da região.
  • Fazenda Bom Jardim – a fazenda Bom Jardim localizada no primeiro distrito foi o marco zero do crescimento do município em seu entorno e atualmente sua casa sede, que já foi restaurada no século passado, encontra-se cercada por vários bairros e comunidades.

 

Duas Barras

O atual Município de Duas Barras constitui-se com o território desmembrado do município de Cantagalo.

O primeiro núcleo de população, o qual originou a comunidade, formou-se em princípios do século XIX, na localidade denominada Fazenda Tapera, doada pelo Padre Francisco José de Oliveira à Irmandade de Nossa Senhora da Conceição, onde os primeiros colonos ergueram uma Capela, dedica a Padroeira da Irmandade citada. Era o período inicial em torno da capela, formou-se uma pequena povoação, as casas eram rancho de pau a pique ou palha, serviam também para abrigo de boiadeiros e viajantes que se dirigiam para o vale do Rio Paraíba.

A vinda de colonos para trabalhar na agricultura e o desenvolvimento da lavoura cafeeira contribuíram para o assentamento e o progresso dessa região.

Em 1834, o Padre José Dias de Oliveira fundou a Irmandade Religiosa de Nossa Senhora da Conceição.

Em 23 de dezembro de 1836, estando à população suficientemente condensada e crescida foi dada ao seu núcleo a categoria de Curato, por fora de uma lei de nº. 68.

20 anos mais tarde, devido ao desenvolvimento verificado na região, foi à localidade levada à categoria de Freguesia pelo Decreto Providencial nº. 92, de 24 de outubro de 1856 sob invocação de Nossa Senhora da Conceição de Duas Barras do Rio Negro.

As autoridades civis só apareceram na localidade por volta de 1891, quando o grau de desenvolvimento da população permitiu a sua elevação à categoria de Vila. O decreto nº. 233, de 8 de maio de 1891, que criou o Município estava assim regido: “fica criado o Município de Duas Barras, que será constituído pelo território da Freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Duas Barras, desmembrado do Município de Cantagalo, tendo por sede a povoação da Tapera, com denominação de Vila de Duas Barras”.

Desta época em diante novos horizontes se abriram para seus habitantes. (Fonte: site da Prefeitura de Duas Barras: http://www.duasbarras.rj.gov.br/)

Celebrações

Celebrações Religiosas

A tradicional festa da Padroeira era comemorada no início, no dia 8 de dezembro, dia de Nossa Senhora da Conceição. Depois, como nesse dia sempre chovia, passou a ser festejada no dia 15 de agosto, nesta data ficou por 50 anos. Com a coincidência da festa de Nossa Senhora da Piedade em Cordeiro, o Bispo Dom Carlos Gouveia Coelho e a Irmandade de Duas Barras, desde 1958, passou a festa da Padroeira a ser comemorada no primeiro domingo do mês de agosto. (Fonte: site da Prefeitura de Duas Barras: http://www.duasbarras.rj.gov.br/)

Outras Festividades

  •  Festa de quadrilha - No mês de junho a pesquisa foi feita no município de Duas Barras registrando na madrugada de 13 de junho a quadrilha tradicional do povoado denominado de Bom Jardim da Roça como é conhecido nas redondezas. Esta quadrilha que faz parte das celebrações ao padroeiro da igreja local, Santo Antônio, é composta por pares de dançarinos  de lá e de outras comunidades vizinhas como Murinelli, distrito de Sumidouro e Nova Friburgo. É composta por vinte e dois pares de dançarinos formados por pessoas de todas as idades que, animadas pelo marcador da quadrilha senhor Alcimar Thiller Tardelli, atualmente morador de Nova Friburgo, mas que possui amigos e parentes na comunidade, vara pela noite adentro. Este vem tentando manter a tradição desta festa que atrai pessoas de todas as cidades ao entorno. Segundo ele a dança da quadrilha, em si, foi resgatada há cinco anos, mas a festa em homenagem a Santo Antônio acontece há muitos anos neste povoado, com missa, procissão pelas ruas do povoado e leilão de animais doados pelos colonos da região com fins filantrópicos em prol da igreja local. A pesquisa registrou o evento em fotos e vídeo e compõe o documentário realizado nos estúdios do IAB.

Lugares (Informações adquiridas no site da Prefeitura de Duas Barras em 25/11/2016 http://www.duasbarras.rj.gov.br/)

“Tombamento – Decreto nº  723 de 02 de dezembro de 1996 determina o Tombamento de Bens Culturais e Naturais considerando o valor cultural do conjunto arquitetônico e urbanístico do núcleo histórico da cidade de Duas Barras e de seu patrimônio natural, que há mais de cem anos vêm sendo preservados pela população local, enquanto símbolo de sua identidade; e a preservação do núcleo histórico de Duas Barras, cartão-postal da cidade.

O Núcleo Histórico da Cidade de Duas Barras abrange os conjuntos arquitetônicos (cerca de 80 casarões centenários), urbanísticos e paisagísticos incluindo os lotes, as edificações, os equipamentos urbanos, as caixas de rua, as calçadas, a arborização e as pontes que os integram.

São tombados os maciços rochosos denominados Pedra do Mota e Pedra do Patrimônio que compõem a paisagem natural do núcleo histórico original e também  as calhas do Rio Negro, do Rio Resende e do Córrego do Baú, considerados como elementos marcantes da natureza do sitio onde se implantou o núcleo urbano e cujos percursos moldaram o traçado da cidade.

- Conjunto da Praça Manoel Lutterbach Nunes números: 12, 22, 28, 34, 40, 46, 56, 62, 94, 100, 61, 69, 83, 91, e 103.

- Nº 05 da Rua Batista Laper

- Prédio da Prefeitura Municipal de Duas Barras

- Igreja Matriz Nossa Senhora da conceição

- Conjunto da Rua Domingos José de Souza números: 56, 70, 33, 37, 43, 49, 55, 65, 71, 83.

- Avenida Getúlio Vargas números 241 e 251.

- Rua Mário Martins dos Santos 105 (travessa Jair Guimarães Pires)

- Conjunto da Rua Dr. Vicente Moncada números: 90, 113, 116 e 126.

- Conjunto da Rua Monnerat números: 12, 60, 68, 76, 86, 94, 100, 108, 114, 122, 128, 65, 75, 85, 85ª, 95, 103, 111, 123.

- Rua Feliciano Sodré número 03 e 11.

- Rua Padre José de Oliveira números 17, 74 e 83.

- Rua Dr. Modesto de Mello números 13, 21, 29, 39, 47, 51, 59, 65, 69, 73, 77, 83.

- Rua Comendador Alves Ribeiro números 03, 11, 25, 33, 41, 47 e 53.

- Antiga sede da Fazenda do Coronel Domingos José de Souza, atual CEDB    (Centro Educacional Duas Barras) e respectivo prédio do moinho nº 61.

- Cemitério da Irmandade de Nossa Senhora da Conceição, destacando-se o muro de pedra e primitiva capela.

Bibliografias:

“Eu só penso nela” 1ª edição – Autor: Farid Habib

“Coisas da minha terra” -  Autor Farid Habib – Editora: WH Imagem e Comunicação.

“Documenta histórica dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro _ Autor: Cyro Corrêa Lyra – Editora: Documenta Histórica Editora – Rio de Janeiro Brasil"