Semana do Meio Ambiente também é celebrada no IAB!

No dia 05 de junho do ano de 1972 na cidade de Estocolmo, Suécia, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, foi instituído o Dia Mundial do Meio Ambiente. O objetivo era alertar o Planeta de que os recursos naturais não eram inesgotáveis e se fazia urgente a conscientização para a sua preservação, estabelecendo-se princípios que orientariam, a partir de então, a política ambiental mundialmente.

Desde então inúmeras iniciativas são pleiteadas em todas as esferas governamentais levando à criação de leis e promovendo cadeias educativas para a sua preservação. Embora tenha havido avanços no Brasil como os inúmeros Programas criados pelo Ministério do Meio Ambiente ainda há muito o que fazer.

A nós, Instituto de Arqueologia Brasileira, interessam todas as iniciativas, em especial a de terem sido criados os Patrimônios Naturais. São sete os sítios do Patrimônio Natural: Parque Nacional do Iguaçu, Costa do Descobrimento Reservas de Mata Atlântica, Mata Atlântica Reservas do Sudeste, Área de Conservação do Pantanal, Complexo de Conservação da Amazônia Central, Ilhas Atlânticas Brasileiras: Fernando de Noronha e Atol das Rocas, Parques Nacionais: Chapada dos Veadeiros e Emas.

“O Patrimônio Natural de um país reúne áreas de importância preservacionista e histórica. São áreas que transmitem a importância do ambiente natural para que possamos lembrar do passado, de onde viemos, o que estamos fazendo com o ambiente e para onde vamos. Fazem parte do Patrimônio Natural formações geológicas e regiões que constituem habitat de espécies animais e vegetais ameaçadas, com valor universal excepcional do ponto de vista da ciência ou da conservação. No Brasil, existem sete sítios do Patrimônio Mundial Natural. Além de benefícios à natureza, os territórios geram lucros com a exploração e desenvolvimento do ecoturismo.” (Portal Brasil).

  Parque Nacional do Pantanal (MT/MS)-Foto: Iphan - José Medeiros  Parques Nacionais da Chapada dos Veadeiros e das Emas (GO)- Foto: Iphan - Ion Davi Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha (PE)- Foto: Juan Pratignestos

O IAB, como instituição consciente da urgência em cuidar, proteger e preservar o meio ambiente, sobretudo no qual desenvolve suas atividades, contribui realizando a reciclagem do lixo que produz reservando uma área exclusiva para compostagem além de selecionar e encaminhar para os locais de reciclagem apropriados, específicos tipos de lixo como o eletrônico (peças de computadores, impressoras desativadas, pilhas, etc.) e separar os demais para pessoas ligadas a atividades de cooperativas de reciclagem. Também promove os cuidados com a limpeza das ruas que circundam suas instalações, (já que o serviço de limpeza das mesmas não é disponibilizado em nosso bairro) e trata com o sistema de caixas de passagem o seu esgoto.

Assim, celebrando a Semana do Meio Ambiente foi criada uma programação com diversas Oficinas e convidados estudantes do CIEP 217 e do Colégio Estadual Santa Tereza, (vizinhos do IAB) para, no dia 08 de junho de 2017, vivenciarem-nas e conhecerem as nossas práticas, propondo a reprodução já que consideramos, até então, as melhores que podemos fazer frente a inúmeros fatores adversos. Lamentavelmente os educandos do Colégio Estadual não puderam estar presentes e algumas Oficinas próprias de sua faixa etária não foram realizadas. Mas fomos prestigiados por cerca de 120 estudantes do CIEP, divididos em grupos da manhã e da tarde o que igualmente nos animou a envolver a criançada em tão necessário trabalho de conscientização.

Em todas as nossas ações educativas utilizamos o método do Psicodrama Pedagógico cuja sequência operacional estabelece o aquecimento inespecífico, o aquecimento específico, a dramatização e o compartilhamento.

Assim ao chegarem foram estimulados ao “despertar do corpo” com exercícios para a movimentação das energias físicas ao som de músicas infantis.

Em seguida, direcionados para a participação nas Oficinas.

Uma delas foi a Oficina do Meio Ambiente Histórico. O conceito de Meio Ambiente Histórico se refere ao modo como o Homem usou os recursos do Meio Ambiente Natural ao longo do tempo em determinado lugar.

A Oficina aborda a utilização da flora local pelos moradores desde o período colonial e, como proposta, a preservação de espécies ameaçadas pelos moradores atuais. Devido a pouca idade dos participantes apenas uma parte dela pode ser utilizada que foi a “Personificando àrvores”, que propõe que cada um torne-se uma árvore e reflita sobre a própria utilidade, seu tempo de existência e a maneira como é e como gostaria de ser tratada.

 A Oficina Peneiras de Ciências Vegetal trazia sementes, folhas, flores e frutos e pedia para que os estudantes os relacionasse; o que pertencia a qual. Uma das peneiras continha ervas medicinais.

Sua proposta era levar as crianças, através dos cinco sentidos, se aperceberem de que o arroz, o feijão, o açúcar, as hortaliças, os frutos e os legumes, consumidos diariamente, são produzidos por árvores, pela terra (e não pela “feira” ou “supermercado”). Em outro momento, com as crianças de olhos vendados, o olfato e o tato foram prioridades tendo como objetivo reconhecer a importância das ervas medicinais; surpreenderam-se com a “revelação” de que, além do chá também são a matéria prima para a grande variedade de remédios que lotam as farmácias. A objetivo era a de levarem-lhes a associar a alimentação e saúde à natureza e a nutrirem sentimentos de carinho e cuidados com as plantas. 

   

Com mudas de coqueiros doadas pela Secretaria de Meio Ambiente de Belford Roxo, demais pela Cedae e sementes de hortaliças providenciadas pelo IAB foi aplicada a Oficina Plantando vidas.

Uma doce experiência para os pequenos que abandonaram qualquer tentação de fazerem peraltices, e se concentraram na atividade!

Outro grupo foi levado para plantar, escolherem um nome por meio de votação ali, na hora, batizar e tornarem-se madrinhas e padrinhos dos coqueiros, na área de Laboratório, sítio-escola, curadoria e guarda do acervo. Foram incentivados a desejar votos de saúde e vida longa. Comprometeram-se a cuidar de vez em quando e foram lembrados de que os coqueiros crescerão junto com eles. Também os pesquisadores curumins plantaram o seu. E o batizaram de...Curumim. Uma experiência que acompanhará a todos por muitos anos...

Conheceram “au passant” o sistema de tratamento do esgoto por caixas de passagem. Após algumas contas um deles chegou à conclusão de que ao final do processo “teria apenas 10% de sujeira na água”.

   

 Oficina Reciclando o Lixo – O Nosso Modo de Fazer

O espanto maior dava-se quando eram levados para entenderem como é reciclado o lixo orgânico por meio do sistema da compostagem. “Não, tia! Isso é mentira! Isso não é terra, isso é pó de café!” Pegavam a terra e voltavam ao momento da peneiragem e depois ao monte peneirado. Ficaram, de fato, bastante surpresos! Com as repetidas lições esperamos que um dia, algum deles, quando mais velho, diga que está experimentando fazer em casa. Somos sementes! Carregamos a capacidade da reprodução e acreditamos que semeamos em terras férteis. Uma hora brota!

Como treinamento para os jovens aprendizes que participam do Projeto Pesquisador Curumim foi proposto que criassem – tanto os bolsistas da parte da manhã quanto os da tarde - uma Oficina que envolvesse o público. Os da tarde ficaram levemente frustrados porque o seu trabalho dirigia-se a grupos de adolescentes do Colégio onde eles estudam o qual não participou do evento, mas puderam aplicá-la com os funcionários do IAB. No entanto, o grupo da manhã criou uma  peça teatral simples que sinalizava a poluição do rio Sarapuí - o mais próximo de nós - e seus mais diversos elementos poluidores.

Ao final das atividades eram oferecidos a todos pipoca e guaraná.

E depois de serem conduzidos para participarem da ações de educação ambiental nos diversos espaços da instituição...

... voltavam para a escola, que tem o muro em comum com o IAB, driblando o esgoto, dos vizinhos acima do IAB, que corre a céu aberto, inclusive em frente ao Instituto. Lastimamos a adversidade e a minimizamos na entrada canalizando-o para facilitar o trânsito, mas ainda não ficamos satisfeitos. Estamos em constante contato com a Prefeitura para tentarmos soluções e aguardamos, ansiosos, as prometidas providências.

 

O Instituto também prestou homenagem ao dedicado funcionário Aldeci dos Santos, que há dez anos cuida dos jardins do IAB, concedendo-lhe um Certificado de Gratidão.

Desta forma foram encerradas as ações no IAB referentes à Semana do Meio Ambiente.

Agradecemos mais uma vez a todos que direta ou indiretamente colaboraram para o sucesso de mais esta realização.

Diretor-Presidente: Ondemar Dias – Coordenação Geral: Jandira Neto

Equipe: Rhuam Carlos Souza - Diego Lacerda – Soledade Neto - William Cruz – Cida Gomes – Antonia Neto - Sergio Serva – Alessandro Silva – Geovani Dionísio – Aldeci dos Santos - Marcos dos Santos  – Anselmo dos Santos – Marilda Souza – e Thiago da Silva e Lusinete Knupp (amigos do IAB)

Pesquisadores curumins e seu monitor:  Rafael Jacaúna

Texto: Antonia Neto – Fotos: Antonia Neto, Alessandro Silva e Diego Lacerda

                                                                Patrocínio Institucional: