PRONAPA - Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas - Ano II

Sítio Residência

 

Sítio de contato situado em um quarteirão que se inicia após um antigo valão usado à época como divisor antigo das terras que separam a Capela de Santa Terezinha do Menino Jesus, de uma casa ao lado desta na Estrada Sarapui 3150. O sitio se estende por cerca de 150m englobando a Estrada Nova Iguaçu, e o Solar dos Dias no nº 3200 de propriedade da Família Ferreira Dias.

Poligonal Sítio Residência e poligonal - Sítio da Baixada Poligonal do Sítio Residência UTMs

O material cultural encontrado e coletado pelo IAB ao longo de anos mostra que estes terrenos faziam parte de um aldeamento tupiguarani (Sítio da Baixada) e de sua reocupação pelas instalações do antigo engenho fundado - provavelmente ao findar o Século XVI (1594) - por Antonio de Mariz (dono de uma das primeiras sesmarias da Baixada) que o deixou para sua descendente Maria da Cunha.

São os vestígios de um dos primeiros engenhos do Rio de Janeiro e, sem dúvida, o mais antigo localizado na sesmaria de Sarapuí. Vendido em data incerta para Manuel da Cunha Sampaio (cristão novo), existiu até o Século XVIII (1730) quando foi desmobilizado e suas ferragens vendidas para um dos engenhos do Morgado de Marapicu.

Inicialmente foi engenho de cana e posteriormente de farinha. Parte de suas terras foi vendida para a família Garcia do Amaral (e Oliveira Durão) que nelas fundaram o Engenho do Calundu em 1750, cujos remanescentes duraram até a década de setenta do século XX. (Sítio Madame Picucha).

Foi identificado inicialmente na década de 40 do Século XX quando a Família Ferreira Dias iniciou ali a construção de sua residência de campo e por toda parte apareciam restos de telha, tijolos, cacos de panela, louça, vidro, metal, moedas antigas e uma estatueta em bronze considerada hoje o artefato nº 01 do acervo do IAB.

Estes achados despertaram o então menino Ondemar Dias, com 10 anos, para o fato de que pessoas haviam morado ali antes dele e, posteriormente, para a arqueologia. As primeiras identificações foram feitas por volta de 1960 e depois durante o PRONAPA (1965), mas no início ainda não havia clareza do que realmente existia ali em termos arqueológicos.

 1964 - vista a partir do Sítio Residência Início da década de 1960  Vista a partir do Sítio Cruzeiro

 Em 1965, então, foram feitas as primeiras prospecções e coletas no terreno de número 3150 (hoje identificado como situado à Estrada Sarapuí, sob o mesmo número).

1965 1965 - Pronapa

 

1965 1965 1965

Em 1980 este terreno foi destinado para a construção de uma casa sendo ali, então, evidenciado o valão da divisão das terras do antigo engenho. Em 1994, após fortes chuvas, foram também evidenciados vestígios de cerâmica neobrasileira próxima à varanda da casa do Solar dos Dias, situada no quarteirão seguinte. Ao ser feito um corte estratigráfico de 2mx2m surgiram cachimbos, louças vidros, metal e cerâmica indígena. No mesmo ano um daguerreótipo apareceu no quintal.

1980 1994

 

Em 1995 a Estrada Sarapui foi aberta para implantação de saneamento e daí as camadas estratigráficas foram mais facilmente evidenciadas, facilitando a compreensão do processo ocupacional da área.

Na atualidade o sítio se encontra a cerca de 500m do ínício da série de condomínios do Programa “Minha Casa, Minha Vida”, no bairro de Santa Tereza - Belford Roxo - RJ.

2016 -  área principal hoje ocupada 2016 - interior da área ainda preservada 2016 - Sítio Residência - mesma área - outro ângulo 2016 - Esquina com Estrada Nova Iguaçu

O material coletado se encontra sob a guarda do IAB identificado pelo catálogo nº 4097-4100 e 4106-4109.

Sítios relacionados: Sitio Madame Picucha/Engenho do Calundú, Sitio do Cruzeiro, Sitio do Morro, Sitio Olaria São João (todos dentro de um perímetro de 1 km).