Bastão em Madeira

Descrição

As peças arqueológicas feitas em madeira são raras na arqueologia brasileira pelo fato de se decomporem rapidamente em ambiente úmido e quente, como aquele predominante no litoral Sudeste. Graças ao micro-clima encontrado na “Toca dos Urubus”, uma pequena caverna granítica da Serra Fluminense, foram preservadas peças de tecelagem como “tipóias” e de madeira, como o exemplar em foco. Todas faziam parte de um conjunto de peças colocadas como acompanhamento funerário de sepultamentos secundários em urnas ali depositadas. Destaca-se o bastão elaborado em madeira dura, provavelmente de cerne de coqueiro ou madeira de lei, bem polido e com leves marcas de ter tido, um dia, um acréscimo de algo para adornar, na sua extremidade mais larga, ou rombóide. A bibliografia e a iconografia a respeito dos indígenas da serra do interior fluminense registram o uso de tais bastões como símbolo de comando.

Filiaçao cultural do objeto

Período: Pré-histórico

Tradição: Una

Fase: Mucuri

Local: Santa Maria Madalena, Rio de Janeiro

Sítio: Toca dos Urubus – RJ MP 13

Setor: Superfície

Nível:Superfície

Análise cultural do objeto

Tipo: Bastão (Símbolo de comando)

Material: Madeira

Dimensão: 136 x 4 cm

Datação Relativa: 1000-1100 AP

Fonte: Acervo IAB 1971

Catálogo: 600

 

¹Na arqueologia a Tradição é o modo como podemos definir um grupo social pela análise e interpretação de traços comuns encontrados em seus artefatos culturais, geração após geração ao longo do tempo (Fases culturais) quando coletados nos sítios arqueológicos. É quando podemos nesses objetos “ler seus pensamentos”, entender sua visão de mundo, vislumbrar o seu modo de vida.