O Castelo (que nunca foi) da Marquesa de Santos ou Crônica de uma Olaria que deu certo (Ondemar Dias & Jandira Neto, 2011)

Este livro é resultado de uma excelente pesquisa sobre a sociedade colonial que “construiu” a Baixada Fluminense em torno das principais atividades econômicas praticadas entre os séculos XVII e XIX: olarias e engenhos. O livro é CINCO em UM.

R$80,00

630 em estoque

Descrição

Este livro é resultado de uma excelente pesquisa sobre a sociedade colonial que “construiu” a Baixada Fluminense em torno das principais atividades econômicas praticadas entre os séculos XVII e XIX: olarias e engenhos. O livro é CINCO em UM.

Livro I –  Leva a leitora e o leitor a “viajarem” hoje por Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Belford Roxo e, pela “janela” do tempo, “encontrarem” Jacutinga, Pilar do Iguaçu e São João de Meriti. Lá está o Pantanal e seu Palacete (que, infelizmente, não era da Marquesa de Santos). Sua proprietária, Águeda Francisca de Queiroz Malheiro, com apenas vinte e cinco escravos, ali construiu uma das mais bem sucedidas olarias do Rio de Janeiro. Conheça aqui as olarias, os sistemas e as técnicas de produção do tipo material construtivo da época.

Livro II – Fala de pessoas. Quem morava aqui na Pré-História, os Conquistadores europeus, a ocupação e o uso da terra, a instalação das freguesias. A sociedade local: os nascidos livres, os nascidos cativos. As Freguesias de Piedade de Iguaçu e Jacutinga: quem vivia aqui? Om quem se casavam? De que morriam?

Livro III – O Calundu. Que lugar era esse? O engenho de Nossa Senhora da Vitória, o pioneiro é de 1630. Suas terras; a Olaria do Pantanal; os Garcia do Amaral e as “coisas daquela família”.

Livro IV – Tomado como referência o Testamento de “Dona Águeda” para a Olaria do Pantanal, conheça a fundo o “negócio das olarias” na Baixada Fluminense de então: planos de trabalho, empates de capital, implantação e administração fiscal, gestão de pessoas (telha nas coxas? Claro que não!).

Livro V – Para estudos avançados: análises e dados comparativos entre os complexos estudados. As fases de transformação.

BRINDE! Trinta e três crônicas deliciosas que, entremeando os trechos densos, ilustram os fatos e humanizam os personagens da História. Logo, pode ser lido por um leigo em História ou por um profundo conhecedor. Fundamental na sua biblioteca!

Informação adicional

Peso 1.5 kg
Dimensões 28 × 22 × 1.21 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “O Castelo (que nunca foi) da Marquesa de Santos ou Crônica de uma Olaria que deu certo (Ondemar Dias & Jandira Neto, 2011)”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *